Correria de Natal

Dizem as más línguas que o Brasil só começa a funcionar depois do carnaval. Mas o certo é que até o mês de outubro vamos levando o ano numa certa calma.

Mas quando vamos chegando no meio de novembro, começamos a ser assaltados por uma pressa, uma urgência e de todos os lados, seja nos estudos, em casa, no trabalho ou na família, começam a pipocar compromissos em todos os lugares e os prazos ficam apertados.

E uma coisa muito comum é chegar um cliente as vésperas de pararmos de trabalhar e precisar de um trabalho urgente. E dai sempre ele se surpreende: nossa, vocês vão entrar em férias quando? hoje é o último dia? então não dá tempo de fazer um pedido? não tem como mesmo?

Um gerente que trabalhou comigo sempre brincava, que parecia que tinha algumas pessoas que estavam tão atarefadas que não percebiam o tempo passar. Dai simplesmente um dia, alguém tocava no ombro dele e perguntava:

– O que você vai querer de presente de natal?
– Natal? Como assim Natal?
– Natal, ué! O Natal é semana que vem, faltam só 2 dias, você esqueceu?
– Puxa vida! Como que ninguém me avisa que é Natal?

Se você já viu essa cena acontecer antes, saiba que não está sozinho. Existe um mundo cheio de pessoas ocupadas, vendo sua vida escorrer por entre seus dedos, porque estão atarefadas demais vivendo o futuro, que não percebem o dia a dia ou os dias que estão próximos.

E o resultado? Bem, nem sempre é possível resolver todos os problemas. O trabalho de produção de um impresso pode ser classificado em níveis, como se fosse um jogo de video-game, com cada fase tendo um chefão, que você tem que vencer.

Os chefões rouba tempo

1º grande chefão rouba tempo: arte final. Algumas artes são complexas e não são simples de serem feitas. Um cartão, um folheto, um cartaz, são impressos relativamente simples na maioria das vezes. Passou disso, as coisas começam a se complicar. Entrou tratamento ou recorte de fotos, várias páginas, anúncios, faca, verniz reserva etc você está aumentando a complexidade do impresso e portanto a arte final também vai demorar.

2º grande chefão rouba tempo: o acabamento. Se você reparou, eu pulei a parte do CTP/fotolito e a parte da impressão… geralmente esses processos são rápidos (a não ser que você seja muito azarado). O que nos leva para o chefão do acabamento. Se você tem um impresso que é só refile, você elimina ele fácil. Agora, adicione vinco, dobra, verniz, laminação, grampo, cola, wire-o, intercalação… e esse vilão vai se tornando cada vez mais dificil.

Chefão Bônus: véspera de feriado/férias de fim de ano. Sim, essas datas são terríveis. Muitas gráficas acabam parando no fim de ano, afinal, todos merecem um descanso. Então, por conta desse período de férias, a gráfica começa a adiantar os pedidos: materiais que seriam entregues no fim do mês ou no começo do mês são entregues antes. E por conta disso, acaba engavetando com outros materiais que vão entrando. Ou seja: o tempo de produção aumenta. Um impresso que demoraria 1 semana para ficar pronto pode ter seu prazo aumentado para 2 ou 3 semanas por conta da fila de trabalho.

Retroceder nunca, render-se jamais!

Se você é antigo como eu, deve se lembrar desse filme do Van Damme. Mas aqui, como estamos falando de produção de impressos, devemos mudar um pouco: “Retroceder sempre, render-se jamais!”

A melhor forma portanto é retroceder sempre. Ou seja: procure em primeiro lugar a gráfica e verifique quanto tempo eles demoram para produzir seu impresso, tendo sempre em mente que o prazo de produção depende do acabamento. Como base no tempo de produção, veja qual a data limite para você ter o impresso e se possível, adicione uma folga para evitar contratempos. Agora, com base nesses dados, procure a agência de publicidade ou arte-finalista e informe o que você precisa, já com essa questão do prazo.

Exemplo 1: um catálogo, de 12 páginas, com laminação fosca e verniz reserva. A gráfica informou que precisa de 1 semana para produzir. Você contatou quem vai montar a arte e viu que ele vai demorar 3 semanas para fazer a arte, por conta de recortar todas as fotos e remontar todas as tabelas. Portanto, você precisa começar a produzir tudo 1 mês antes para pegar o impresso a tempo.

Exemplo 2: um calendário com wire-o, com a base empastada e verniz reserva em todas as laminas. A gráfica pediu 2 semanas, o arte finalista mais 1 semana, o que lhe dá um prazo de 3 semanas.

Vejam que nesses dois exemplos, estamos trabalhando com o prazo normal. Mas no fim do ano ou véspera de feriado, você pode se deparar com uma situação assim:

Exemplo 1: um catálogo, de 12 páginas, com laminação fosca e verniz reserva. A gráfica informou que precisa de 2 semanas para produzir. Você contatou quem vai montar a arte e viu que ele vai demorar 4 semanas para fazer a arte, por conta de recortar todas as fotos e remontar todas as tabelas. Portanto, você precisa começar a produzir tudo 1 mês e meio antes para pegar o impresso a tempo.
Exemplo 2: um calendário com wire-o, com a base empastada e verniz reserva em todas as laminas. A gráfica pediu 3 semanas, o arte finalista mais 2 semanas, o que lhe dá um prazo de 1 mês e e 1 semana.

O prazo aqui sofreu uma mudança justamente por conta desse acumulo de trabalhos. Para evitar isso portanto, previna-se e planeje seus impressos, assim você evita dores de cabeça e não se surpreende (no mau sentido) com a chegada do Natal.

Boas festas e um santo e feliz Natal a todos!

Deixe uma resposta