Contos tenebrosos – Faróis Apagados

Fazia bastante tempo que eu queria começar essa sessão no blog, então resolvi dar o pontapé inicial. Nessa categoria eu vou contar algumas histórias interessantes que ocorreram comigo. São coisas que na época deram o maior susto, mas hoje ficaram para trás nas lembranças de um passado tenebroso…

O caso dos carros com faróis apagados

Faz anos que eu parei de vez de mexer no Corel Draw, mexendo só mesmo quando é necessário. Desde que comecei a mexer com o Illustrator eu simplesmente aposentei o Corel, mas tenho várias histórias com ele.

Bem, hoje é mamão com açúcar mexer no Corel com as configurações das máquinas que temos hoje em dia. Hoje em dia você consegue ter hd de vários terabytes e espaço de armazenamento não é problema. Mas antigamente, havia um certo bug no Corel que estava relacionado com o espaço livre em disco.

Vou explicar melhor: cada vez que você ia fazendo alguma coisa no Corel, ele ia comendo o espaço livre do hd com arquivos temporários. Isso acontecia por conta do histórico de ações. Assim quando você quisesse voltar para traz, você podia simplesmente ir dando Ctrl+Z até voltar a etapa desejada, um feito mágico não é? Só que não.

Num dado momento, se você estivesse trabalhando há bastante tempo num arquivo muito pesado, o Corel dava uma mensagem de erro e se isso acontecesse e você fosse no Explorer, olhasse seu hd e estivesse sem espaço livre em disco, você estava amaldiçoado.

Eu não estou brincando! Você estava amaldiçoado mesmo. Mas não estou me referindo a coisas tenebrosas como você ser atropelado, perseguido por monstros assassinos ou pelo capeta.

A maldição consistia no simples fato de que você NÃO PODIA MAIS SALVAR O ARQUIVO. Simples assim.

Pode ser que você esteja pensando “nossa, grande coisa”. Mas imagine um arquivo que você gastou várias horas trabalhando nele, fez diversas modificações e ele estava pronto para ir para impressão, tudo o que você precisava era apenas salvar o arquivo, mas… você não consegue. É uma maldição terrível ou não é? E não, não adiantava tentar livrar espaço em disco depois de ter recebido a mensagem.  Nada de recorrer a água benta ou megabytes livres para se livrar da maldição.

Numa dessas, lembro que teve um dia em especial. Aqui em Sorocaba estava super em alta aqueles famosos bingos: você comprava uma cartela e ia para o Estádio Municipal, o  CIC (Centro de Integração Comunitário) tentar ganhar os prêmios. Eram em média 5 carros zero… uma coisa de louco, muito legal.

Para divulgar esse bingo, eram espalhados cartazes pela cidade inteira. E durante um bom tempo, era eu quem montava as artes dos cartazes.

E num certo dia, lembro que o cliente chegou, fez várias alterações no preço, posição dos carros, tamanho dos carros, etc. Alterou bastante coisa e por fim disse “cara, é isso. só acende o farol dos carros pra mim e pode liberar”.

Isso de “acender o farol” era uma coisa que eles sempre diziam, que quando o carro estava com o farol aceso a foto ficava mais bonita. Mas como nem todas as fotos eles conseguiam bater com o farol aceso, nós simulávamos esse efeito no photoshop, com o famoso “Lens Flare” do Photoshop.

Mas voltando a nossa história, foi isso que o cliente pediu “acende o farol dos carros e pode imprimir”. Parece uma coisa simples, mas estamos falando de abrir 5 fotos, aplicar o efeito, importar a foto no Corel, ajustar o tamanho, posição, ordem dos objetos etc. Não existia simplesmente um comando “acender farol”.

Bem, o cliente acabou de sair da sala, eu fui salvar o arquivo para não perder as alterações e começar a trabalhar nas imagens e… fui amaldiçoado! Lá estava a terrível mensagem, o Explorer mostrando que não tinha espaço…

Eu gelei na hora, principalmente porque tinha prazo para entregar o cartaz. A solução? Peguei uma caneta, fiz uma cópia do cartaz no papel, marquei os valores que haviam sido alterados  e fechei o Corel. Abri o arquivo novamente e fiz as alterações, agora salvando cada alteração e por ultimo, colocando os carros com o farol aceso…

Por Luciano Leal
É apaixonado por quadrinhos, livros e filmes. Trabalha há mais de 20 anos na área gráfica e vem estudando web há vários anos.

Deixe uma resposta